sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Laboratório vinculado ao MCTIC investiu R$ 1 milhão para que Brasil adotasse o dispositivo em testes de laboratórios

O Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), irá usar tecnologia que utiliza chips com culturas de células humanas no lugar de animais para a realização de testes de laboratório. 

Os dispositivos são interligados em circuitos que simulam as condições do organismo. 

Desenvolvida por uma startup alemã, a tecnologia está alinhada com o esforço do Brasil em reduzir e substituir a utilização de animais em testes de medicamentos e cosméticos. 

Denominado "Human on a chip" (ser humano em um chip, em inglês), o projeto é da empresa TissUse, que está transferindo a tecnologia para o LNBio. 

A parceria das organizações começou em 2015, com o treinamento de pesquisadores brasileiros em Berlim. Por meio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o MCTIC investiu R$ 1 milhão para que o LNBio adotasse a tecnologia. O Grupo Boticário repassou mais R$ 500 mil.

Segundo o gerente de desenvolvimento de fármacos do LNBio, Eduardo Pagani, cada chip tem o tamanho aproximado ao de um smartphone com capacidade para abrigar células de órgãos diferentes em compartimentos separados.

*Com informações do MCTIC

Fonte: http://itforum365.com.br/noticias/detalhe/121212/lnbio-importa-tecnologia-que-substitui-testes-em-animais-por-chips

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ray Bradbury

"Se não tivermos bibliotecas, não temos nenhum passado e não teremos um futuro"